Palestra motivacional celebra o Dia Internacional da Mulher no CRCPR

Um coquetel receptivo, reencontros, exposição de acessórios, dicas de maquiagem, música, riso e muita descontração preencheram o saguão da sede do CRCPR com a presença feminina na quarta-feira (7), enquanto mulheres contabilistas e convidadas aguardavam pelo início da palestra da jornalista Mira Graçano. O evento, que contou com 150 participantes, foi idealizado pelo Instituto Paranaense da Mulher Contabilista (IPMCONT), com o apoio da Comissão da Mulher Contabilista do CRCPR, coordenada pela conselheira Denise de Oliveira, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, celebrado no dia 8 de março.

Na abertura do evento, a vice-presidente do IPMCONT, Carla Pacheco, apresentou um vídeo produzido especialmente para a ocasião e convidou o cantor e músico Renan Cardoso para recitar um poema. Em seguida, foi dada a palavra ao vice-presidente Laudelino Jochem, que parabenizou as mulheres pelo seu dia. “Vivemos na era da informação e de grandes avanços tecnológicos, máquinas têm sido criadas para pensar e realizar tarefas que a força e o pensamento humanos não conseguem desenvolver; é inadmissível que, diante de tantos avanços, muitos homens do século XXI ainda não tenham conseguido evoluir a ponto de respeitar e valorizar as mulheres como elas merecem”, refletiu Jochem. Também compareceu ao evento a vice-presidente de Desenvolvimento Profissional do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), Lucelia Lecheta.

A jornalista convidada para conduzir o evento introduziu a palestra contando sobre decisões pessoais e profissionais que mudaram sua própria vida. “Após quase 30 anos dedicados ao jornalismo, fiz um treinamento para reconhecer meus potenciais e limitações. O resultado indicou que eu tinha problemas para me comunicar, e aquilo me atingiu como uma bomba porque era muito contraditório com a minha profissão. O primeiro passo para melhorar profissionalmente e também como pessoa foi o reconhecimento dos meus limites. Não importava, naquele momento, a experiência que tinha: eu devia me superar”, contou Mira, que também tem formação em Análise Transacional e coaching.

No decorrer da palestra Palavras x Conquistas, ela provocou gargalhadas ao tratar com leveza de temas sérios como respeito, aceitação, empatia e perdão. “Estou aqui para dizer que somos responsáveis pelo que temos, e que tudo o que falamos reflete nos resultados que alcançamos. Vamos parar de enxergar nossos problemas como obstáculos insuperáveis, pois quanto mais dissermos que eles são instransponíveis, mais difícil será o nosso caminho”, aconselhou a palestrante.

Mira também fez pontuações sobre as desculpas que, muitas vezes, encontramos para erros cometidos com as pessoas amadas, ou em situações do dia a dia. “Nós erramos muito e não adianta arrumar uma desculpa esfarrapada. Eu mesma passo por situações assim em casa, no trabalho ou com a minha família. Devemos aprender a dizer que sentimos muito, que não temos a intenção de ferir alguém, mas tão ou mais importante do que isso é assumir o compromisso de não insistir naquela falha, é dar a nossa palavra e demonstrar por atitudes e comportamentos que aquele erro não vai ser repetir. E isso tem uma força espetacular. Nossas relações melhoram, contagiamos quem convive conosco e, assim, passamos a ser mais felizes”, disse.

A jornalista deixou as participantes à vontade, dispensando subir ao palco durante a sua exposição para poder ficar mais perto das convidadas e passear entre elas. Ela também destacou a presença de alguns homens na plateia. “Vejo homens daqui. Que coisa boa saber que vocês compartilham conosco a alegria de celebrar as conquistas femininas”, declarou com entusiasmo. Após relatos, vídeos e exemplos práticos sobre boa convivência, a palestrante encerrou a apresentação entoando a música “É preciso saber viver” – composição de Roberto Carlos e Erasmo Carlos – e foi acompanhada pelo belo coro das participantes.

Ao final do evento, participantes tiveram seus nomes sorteados e foram presenteadas com brindes como cosméticos, livros, acessórios, serviços de beleza, dentre outros. Como pagamento pela inscrição no evento, cada participante doou três quilos de farinha de trigo; ao todo foram trazidos 377 quilos, os quais serão entregues à Associação Beneficente Cultural e Assistencial Frei Miguel. Fundada em 1997, a instituição realiza atendimento jurídico e psicológico a pessoas idosas, em tratamento de saúde ou em situação de vulnerabilidade social.

Fonte: CRCPR